Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

FisioBlog

Saúde, exercício e bem-estar

FisioBlog

Saúde, exercício e bem-estar

Pilates Clínico: O que é?

O Pilates Clínico consiste num método de exercício terapêutico que pode ser praticado pelas diferentes faixas etárias, visando a prevenção, recuperação de lesões, melhoria da postura, entre outros.

 

 

Qual a diferença entre o Pilates Clínico e o Pilates tradicional?

 

Os exercícios de Pilates tradicional são realizados com movimentos de grande velocidade e com um grande esforço para as diferentes estruturas musculares e articulares, podendo agravar alguma condição pré-existente caso os exercícios não estejam a ser realizados de forma correta.

No Pilates Clínico, os exercícios do método tradicional de Pilates são divididos em diferentes níveis com dificuldade gradual, que se adaptam a cada pessoa.

Os níveis iniciais dão mais suporte no tronco e membros para que a musculatura do core (musculatura abdominal) seja feita de forma mais eficiente e sejam evitadas compensações musculares que poderão vir a causar ou a agravar lesões.

Podem também ser aplicados diferentes equipamentos que podem auxiliar ou dificultar a realização dos exercícios, como por exemplo, pesos, bolas, bandas elásticas e arcos de Pilates.

 

 

Quem pode dar aulas de Pilates Clínico?

Apenas profissionais com formação específica em Pilates Clínico podem instruir este tipo de aulas. Fisioterapeutas especializados na área dão este tipo de modalidade em clínicas, associações ou espaços recreativos.

Certifique-se antes de iniciar as aulas que o instrutor possui comprovativo de formação na área.

 

Fontes:

 

 

  • Owsley. An introduction to clinical Pilates. IJATT. 2005; 10(4): 19-25
  • Lim. Effects of Pilates-based exercises on pain and disability in individuals with persistent nonspecific low back pain: a systematic review with meta-analysis. Journal of Orthopaedic & Sports Physical Therapy. 2011; 41(2): 70-80
  • Anderson. Introduction to Pilates based rehabilitation. Orthop Phys Ther Clin N Am. 2000; 9: 395-410

 

Poderá encontrar mais informações em: