Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

FisioBlog

Saúde, exercício e bem-estar

FisioBlog

Saúde, exercício e bem-estar

Pilates Clínico: Qual a roupa mais adequada?

 

big_7b39ea99e9f14cf5bf174622e6c5b217.jpgbig_b990a70efcc545ba9a8452d28097e788.jpg

 Fonte: Decathlon

 

 Toda a prática de exercício físico requer o uso de roupa confortável, que não diminua a mobilidade enquanto estamos a praticar.

 

Como o Pilates Clínico é uma modalidade que requer alguma mobilidade, deverá utilizar roupas leves e flexíveis, uma vez que as roupas mais pesadas irão dificultar a realização dos exercícios e poderão causar mal-estar e transpiração em excesso.

 

mat-ball-teach-solo-f2m-24314.jpg

Algo que deve ter em conta na escolha da roupa é o facto de o instrutor necessitar de observar o seu alinhamento enquanto realiza os exercícios por forma a corrigir os seus movimentos e a sua postura. A roupa certa também será uma mais-valia para si, pois será mais fácil corrigir-se ao espelho enquanto está na aula. Opte por roupas mais justas, como por exemplo leggins, calções,  t-shirts e tops.

Sugestão para mulher: 

big_768cb274d69a4793870fcee565e8e3df.jpg

big_a4d2c39e6e4640f0a36c971c6b0956d7.jpg

 

 

Fonte: Decathlon

 

Sugestão para homem:

big_6c560cf4a878461a9bb3e6a699f61526.jpg

 

big_eebf41f3c865473381f2eda3d6324bd8.jpg

 

 

 

 

Nos pés poderá realizar a aula descalço, mas se preferir poderá utilizar meias anti-derrapantes. Existem vários modelos disponíveis no mercado.

Fonte: Oysho

 

 

Não se esqueça apanhar o cabelo e retirar acessórios de maior tamanho como brincos compridos ou pulseiras e fios com pendentes grandes para evitar que fiquem presos durante a aula.

Documentário - Alzheimer: Granpa, do you know who I am?

O documentário que mostramos hoje tem uma duração de cerca de 30 minutos e é baseado no livro "What's happening to granpa?" da autora Mary Shriver. 

Este documentário conta cinco histórias de crianças que lidam com os seus avôs ou avós que sofrem com a Doença de Alzheimer, conjuntamente com comentários de Mary Shriver. 

 

 

O filme está disponível no youtube, com legendas em brasileiro, dividido em três partes.

 

 

Parte 1

 

Parte 2

 

 

Parte 3

 

 

Mãe celebra o nascimento do filho com uma foto diferente

 

 

O termo "Placenta" não é algo que apareça em imagens agradáveis quando pesquisamos no Google. 

No entanto, a fotógrafa australiana Emma Jean Nolan, não só tirou uma foto do seu filho recém-nascido Harper, como também soletrou a palavra "amor" (LOVE) com o seu cordão umbilical. 

 

newborn-baby-placenta-cord-spell-love-whenua-maori

 

"As minhas fotos visam capacitar e informar as mulheres através da minha arte, mostrando ao mundo a beleza da vida e a maternidade em todas as suas formas e feitios. Eu queria mostrar como se parece um parto fisiológico, uma vez que a maioria das pessoas nunca viu um bebé ligado à sua placenta. A placenta não é algo que seja apreciado na cultura ocidental, sendo descartado, ignorado ou considerado nojento. No entanto, sem a placenta nenhum de nós estaria aqui."

 

Mais intormações na página do Facebook de Emma Nolan em: https://www.facebook.com/emmajeanphotographictales/timeline

Pilates Clínico: Quais os benefícios?

O Pilates Clínico destina-se a todas as pessoas que desejem praticar uma atividade física sem prejudicar a sua saúde. Veja quais os seus benefícios:

 

1) Melhoria da postura

Os exercícios de Pilates Clínico devem ser realizados com um alinhamento postural correto. A prática regular da modalidade permitirá ao individuo melhorar a sua consciência corporal e ativar a sua musculatura postural de forma mais eficiente, melhorando assim a postura.

 

2) Aumento da força e resistência muscular

As aulas de Pilates Clínico também envolvem exercícios com pesos e outros equipamentos que permitem o aumento da força muscular e resistência muscular. Além disso, a prática regular promove uma maior tolerância ao esforço, combatendo o sedentarismo.

 

3) Aumento da flexibilidade

É essencial que haja uma componente de alongamentos durante as aulas de Pilates Clínico. A manutenção da mobilidade é essencial para o dia-a-dia. Pessoas com pouca flexibilidade têm tendência a ter uma postura mais incorreta e a realizarem mais compensações musculares  desnecessárias durante as atividades de vida diárias, sobrecarregando por vezes as articulações.

 

4) Alívio da dor articular e muscular

O Pilates Clínico é uma modalidade de exercício terapêutico. Como tal, apresenta benefícios no alívio da dor e na recuperação de lesões musculo-esqueléticas através da prática de exercícios devidamente adaptados à condição do individuo.

 

5) Aceleração da reabilitação pós-lesão e prevenção de lesões

A prática de exercício ajuda na recuperação de várias lesões músculo-esqueléticas, permitindo ainda que mantenha a condição física enquanto recupera.

A maioria das lesões músculo-esqueléticas relacionam-se com a má postura e com a realização de movimentos repetitivos ao longo do dia. O Pilates Clínico atua como um método de prevenção de lesões, uma vez que promove o correto alinhamento postural através da atividade física.

 

6) Melhor concentração

A concentração é um dos princípios base do Pilates para que os exercícios sejam realizados corretamente. Com a prática regular, será mais fácil concentrar-se ao realizar determinados exercícios que sejam mais exigentes e estes benefícios também se traduzem posteriormente noutras tarefas do dia-a-dia.

 

 

7) Alívio da tensão muscular, stress e promoção do bem-estar

O Pilates Clínico é uma modalidade de exercício mais calma, comparativamente às modalidades tradicionais que se praticam no ginásio. Isto permite que a aula além de um momento de aprendizagem, também possa ser um momento de descontração, onde pode socializar com todos os participantes e distrair-se da sua rotina diária.

 

Fontes:

  • Effects of exercise on pain of musculoskeletal disorders: a systematic review. Acta Ortopedica Brasileira 2014 Nov;22(6):334-338
  • Pilates for low back pain (Cochrane review). Cochrane Database of Systematic Reviews 2015;Issue 7
  • An introduction to clinical Pilates. IJATT. 2005; 10(4): 19-25
  • Effects of Pilates-based exercises on pain and disability in individuals with persistent nonspecific low back pain: a systematic review with meta-analysis. Journal of Orthopaedic & Sports Physical Therapy. 2011; 41(2): 70-80
  • Introduction to Pilates based rehabilitation. Orthop Phys Ther Clin N Am. 2000; 9: 395-410
  • Efficacy of the addition of modified Pilates exercises to a minimal intervention in patients with chronic low back pain: A randomized controlled trial. Phys Ther. 2013; 93(3): 310-320
  • Effects of Pilates training on lumbo-pelvic stability and flexibility. Asian J Med. 2011; 2(1): 16-22

Motricidade fina: 5 ideias de jogos de correspondência

Os jogos de correspondência são bastante utilizados pelo fisioterapeuta para treino da motricidade fina, permitindo ainda estimular cognitivamente o utente. São adequados para crianças, adultos e idosos, devendo no entanto ser adaptados a cada faixa etária e a cada condição especificamente.

Ficam aqui 5 sugestões de atividades de motricidade fina que poderá realizar com materiais simples que tem em casa e que pode encontrar em qualquer loja.

 

 

1d79b5c448e92a7fa2831227350c754a.jpg

Fonte: http://www.powerfulmothering.com/shapes-counting-and-colors-busy-bag-with-printable/

Faça um jogo de correspondência de molas da roupa com números a diferentes formas. Poderá encontrar no link acima os moldes em .pdf para realizar esta atividade. Basta depois pintar 5 molas de madeira e escrever os respetivos números.

 

IMG_3092.jpg

Fonte: http://theautismhelper.com/tasks-kiddos-put-mouth/

Crie um jogo de correspondência de formas, estilo Tetris. Poderá utilizar materiais como feltro ou EVA para criar as formas e utilizar velcro adesivo para fazer corresponder ambas as formas. Poderá conjugar cores, mas também poderá utilizar outro tipo de desafios como por exemplo colocar uma conta na peça e fazer corresponder ao resultado que está no tabuleiro.

 

e3aa3ec772088e908dd0fafcae5060c9.jpg

Fonte: http://kathysmontessorilife.blogspot.pt/2012/05/latches-and-locks.html

Junte diferentes cadeados que tenha por casa e crie um jogo simples de correspondência de cada chave ao cadeado certo. Poderá facilitar a tarefa associando cores às chaves e aos cadeados (como está na imagem), mas também poderá associar números, formas ou colocar autocolantes idênticos.

 

P5010544.JPG

Fonte: http://sewfantastic.blogspot.ca/2012/05/rainy-day-fun.html

Faça corresponder pompons a este colorido arco-iris, que se encontra disponível no link acima. Poderá encontrar pompons como os que estão na imagem nas lojas TIGER por um preço bastante acessível ou poderá utilizar outras opções como círculos desenhados em EVA, feltro ou cartolina, fazendo corresponder as cores.

 

matching-game-for-kids-sticks.jpg

Fonte: http://blog.theconnectionweshare.com/craft-activities-ideas-for-kids/color-pattern-matching-game-for-kids/

Para este jogo poderá aproveitar pauzinhos de gelado ou comprar já coloridos (existentes nas lojas de bricolage e artesanato) para fazer corresponder a diferentes esquemas disponíveis gratuitamente no website acima mencionado.

 

 

Já conhecia estas atividades? Conhece outras que não foram mostradas aqui? Deixe-nos um comentário e partilhe connosco as suas ideias! Ficamos à espera.

 

Até breve

 

A mochila e a postura das crianças e adolescentes

 

As crianças e adolescentes apresentam um rápido desenvolvimento músculo-esquelético, principalmente entre os 12 e os 18 anos (pré-adolescência e adolescência). Muitas das vezes surgem queixas de dores na coluna, principalmente na região lombar associadas à utilização incorreta da mochila, no entanto estas não são as únicas consequências que podem surgir ao longo do tempo.

 

 

As mochilas quando demasiado pesadas, podem causar alterações posturais devido à mudança do centro de gravidade. A cabeça e o tronco têm tendência a inclinar mais à frente, e durante a marcha poderá ocorrer assimetria pélvica. Se a mochila for colocada demasiado abaixo da zona lombar, há uma tendência para aumentar a curvatura da coluna lombar, denominada lordose lombar, podendo causar dor. Quando o peso da mochila é aplicado apenas sobre um ombro, há uma tendência para a coluna inclinar lateralmente, podendo conduzir a casos de escoliose.

 

Como podemos prevenir estas alterações posturais?

 

Escolher a mochila certa

A escolha de uma mochila adequada a cada jovem é essencial para promover uma postura saudável.

  • As alças da mochila deverão ser ajustáveis
  • Deverá haver um reforço esponjoso na zona de apoio da coluna para que haja um maior conforto
  • Tenha em conta qual o percurso percorrido pela criança com a mochila antes de a escolher. Se existirem demasiadas escadas ou o terreno for demasiado irregular, opte por uma mochila normal em vez de um trolley
  • Caso pretenda escolher um trolley, a haste deverá ser ajustável e adequada à altura da criança
  • A mochila não deve ser mais larga que o tronco da criança

 

big_706d5b4ed5594c598b0d04964d6f7745.jpg

 

Cuidados colocar a mochila

  • A mochila deverá ser transportada em ambos os ombros
  • O material mais pesado deverá ser colocado na parte de trás da mochila (junto às costas)
  • A mochila deverá ser ajustada para que esteja aconchegada às costas e não esteja demasiado abaixo da cintura.

 

backpack_b_sm.jpg

 

Postura incorreta vs Postura correta 

 

 

Hábitos de vida saudável

Crianças com um estilo de vida mais sedentário apresentam uma maior tendência a desenvolver alterações posturais devido à grande parte do tempo que passam sentadas. A prática de atividade física regular promove não só uma boa postura mas também previne diversos fatores como algias posturais e condições como a Diabetes.

 

A Educação Postural é fundamental para que os jovens compreendam quais as consequências da má utilização da mochila como se podem prevenir diariamente. Esta temática faz parte do programa de Saúde Escolar 2015 elaborado pela Direção Geral de Saúde, que visa promover hábitos de vida saudáveis entre as crianças e os adolescentes.

“A intervenção da Escola e da Saúde consiste em promover a educação postural (postura sentada e modo de transporte da mochila), adequação das caraterísticas do mobiliário escolar às atividades da vida diária e às fases de crescimento e desenvolvimento de crianças e jovens, enquanto fatores responsáveis pela aquisição ou agravamento de problemas de saúde.” DGS, 2015

 

A Fisioterapia é também um meio de tratamento e prevenção de alterações através do exercício terapêutico e do ensino de comportamentos e de um estilo de vida saudável.

Em caso de dúvida não hesite em contactar um Fisioterapeuta para uma avaliação postural e aconselhe-se acerca de qual o material mais adequado para uma boa postura.

 

 

Fontes:

  • Sheir-Neiss. The Association of Backpack Use and Back Pain in Adolescents. Spine. 2003; 28(9):922-930
  • Review for the generalist: evaluation of low back pain in children and adolescents. Pediatric Rheumatology. 2010. 8:28
  • The effect of a unilateral upper extremity load (backpack) on the resulting spinal posture. Scoliosis. 2013, 8(2):O26
  • Calvo-Muñoz. Preventive physiotherapy interventions for back care in children and adolescents: a meta-analysis. BMC Musculoskeletal Disorders. 2012: 13; 152
  • Peso da mochila escolar, sintomas osteomuscular e alinhamento postural de escolares do ensino fundamental. Terapia Manual. 2011; 9(43):190-196
  • The postural effects of load carriag on young people – a systematic review. BMC Musculoskeletal Disorders. 2003. 4:12
  • Programa Nacional de Saúde Escolar DGS 2015 - http://www.dgs.pt/directrizes-da-dgs/normas-e-circulares-normativas/norma-n-0152015-de-12082015-pdf.aspx.

 

Derrame pleural

 

O derrame pleural traduz-se pelo excesso de líquido acumulado no espaço pleural, ou seja, no espaço entre ambas as pleuras. As causas são inúmeras:

 

  • Insuficiência cardíaca congénita
  • Cirrose hepática
  • Ascite
  • Neoplasias
  • Infeções pulmonares
  • Reações medicamentosas
  • Hemotórax
  • Pós-cirurgia cardíaca / pulmonar

 

O líquido pleural tem uma constituição proteica e a entrada e saída de líquido da cavidade pleural permitem manter o equilíbrio nessa constituição. Quando se acumula líquido em excesso, altera-se a constituição do fluido, bem como a mecânica ventilatória da caixa torácica. É frequente que também ocorra uma diminuição dos volumes pulmonares e por vezes também dor pleurítica (dor tipo pontada que pode irradiar ou aumentar com os movimentos de inspiração e expiração). Em casos mais graves pode surgir dispneia (quando há um derrame mais extenso) ou febre (em caso de infeção).  

 

 

Perante um derrame pleural, o fisioterapeuta tem como principais objetivos facilitar a drenagem e reabsorção do derrame pleural, promover a mobilidade torácica (e de ambas as pleuras) e prevenir complicações respiratórias. Os movimentos respiratórios (a inspiração e a expiração) vão ajudar na reabsorção o líquido pleural.

 

Fontes:

  • Frownfelter. Cardiovascular and Pulmonary Physical Therapy:Evidence to practice. 2014. Elsevier

Motricidade fina: O que é?

 

A motricidade fina é a capacidade que cada pessoa tem para executar movimentos com uma maior precisão como a destreza necessária para utilizar um determinado objeto ou a coordenação oculomotora.

A motricidade fina é uma das competências que se desenvolve desde cedo na infância através dos diferentes estímulos que a criança experiência e pela forma como interage e compreende o que a rodeia, estando constantemente a ser aperfeiçoada.

 

 

Algumas condições podem condicionar a motricidade fina do individuo, sendo necessária a sua reaprendizagem e treino para melhoria ou para evitar a deterioração das suas capacidades. São exemplos:

  • Na infância: Paralisia cerebral, Lesão obstétrica do Plexo braquial, Tetraplegia, Contratura múltipla congénita, etc.
  • Na idade adulta: Acidente vascular cerebral, Parkinson, Tetraplegia, Cirurgias à mão / membro superior, etc.

 

O fisioterapeuta utiliza uma série de técnicas específicas e de equipamentos para trabalho da motricidade fina com os seus utentes, tendo sempre em conta cada caso e os objetivos de cada utente. 

 

 

 

Em breve no blog serão publicados alguns artigos com sugestões de atividades de motricidade fina que poderão ser realizadas por miúdos e graúdos, saudáveis ou com alguma condição de saúde. Fiquem atentos!

 

 

 

Fisioterapia no meio aquático

 

 

A fisioterapia no meio aquático (FMA), mais conhecida como hidroterapia, consiste na aplicação de técnicas específicas de fisioterapia no meio aquático. Tem como vantagem conjugação dos efeitos da imersão na água quente e das propriedades da água, associadas ao exercício físico.

 

 

A FMA tem como objetivo auxiliar na reabilitação de condições neurológicas, músculo-esqueléticas e cardiorrespiratórias. Em alguns casos, a FMA também pode servir de meio preventivo e educativo, visando a educação postural, a promoção de hábitos de vida saudável, entre outros temas.

 

 Não esquecendo ainda, a FMA tem também uma componente lúdico-recreativa, que visa promover a interação social e o bem-estar geral dos praticantes, bem como um aumento da sua autoestima.

 

 

A prática de FMA pode ser realizada de forma individual ou em grupo e pode ser conjugada com outras modalidades de Fisioterapia. A maioria das pessoas (saudáveis ou com condições de saúde) podem integrar a maioria dos programas de reabilitação aquática em qualquer faixa etária.

 

 

Benefícios da FMA:

  • Aumento da mobilidade e flexibilidade
  • Estimulação propriocetiva
  • Fortalecimento muscular
  • Diminuição da dor
  • Diminuição do edema nos membros (aumento da circulação venosa)
  • Reeducação das atividades funcionais
  • Aumento da resistência ao esforço
  • Recuperação da marcha e do equilíbrio
  • Melhoria da postura
  • Relaxamento muscular e bem-estar físico e psicológico
  • Interação social

 

Antes de iniciar a prática de hidroterapia, certifique-se que vai ser acompanhado por um fisioterapeuta, que o avalia e tem em conta os seus problemas e objetivos de intervenção.

 

Para mais informações consulte o site do Grupo de Interesse de Hidroterapia – Fisioterapia no Meio Aquático.

 

  

Fontes: